News

eRcane, 90 anos de experiência

Desde 1929, o centro de tecnologia e pesquisa genética da Ilha da Reunião trabalha em prol da cana-de-açúcar

Um pouco de história  

No final dos anos 20, com o objetivo de combater doenças (especialemente o vírus do mosaico) que afetavam os canaviais, o Sindicato dos Fabricantes de Açúcar da Ilha da Reunião inaugurou um centro de pesquisa a fim de selecionar novas variedades mais resistentes às doenças, mais produtivas e adaptadas às condições climáticas da ilha.   

90 anos mais tarde, a “paixão pelas variedades” anima, mais do que nunca, uma equipe de especialistas na vanguarda do progresso genético, agronômico e tecnológico. As pesquisas se concentram em utilizações futuras e o know-how da ilha é exportado para inúmeros países produtores de cana-de-açúcar.  

A eRcane dedica quase 200 hectares para os ensaios varietais 

Os produtores rurais, atores da pesquisa varietal  

Os pesquisadores contam com o apoio de uma rede de produtores muito comprometidos com o trabalho de difusão varietal e as atividades de técnicas de cultivo. Um envolvimento reconhecido por Philippe Labro, Presidente da Tereos Açúcar Oceano Índico, na festa de aniversário do centro, que aconteceu no dia 15 de novembro. “Obrigado aos pesquisadores, aos técnicos, aos colaboradores da eRcane e aos produtores rurais, por acreditarem e trabalharem mais do que nunca para manter nosso nível de excelência, a perenidade e a dinâmica do setor de cana, açúcar, rum e energia.” Durante o evento, cinco agricultores e um colaborador receberam um troféu por sua atuação na pesquisa e pelo apoio técnico que oferecem no cotidiano.  

E daqui para frente?  

A eRcane é como um centro de pesquisa voltado para o futuro, em busca de produtividade açucareira e novas utilizações para a cana. As equipes de pesquisadores já estão trabalhando em:   

  • Novas variedades para o mix da cana (açúcar – rum – energia), a fim de acumular os valores agregados dessas três produções alimentares e energéticas.  
  • Outras utilizações para a indústria cosmética, que além gerar novas perspectivas de mercado, respeitam também os princípios da química verde: limitação da poluição, redução de gastos energéticos, matéria-prima renovável, entre outros.  
  • Um programa de pesquisa genética e molecular, a fim de compreender melhor o genoma da cana, e, assim, aperfeiçoar sua seleção.